quinta-feira, 26 de julho de 2012

O QUE SERÁ - CHICO BUARQUE




O que será, que será?
Que andam suspirando pelas alcovas
Que andam sussurrando em versos e trovas
Que andam combinando no breu das tocas
Que anda nas cabeças anda nas bocas
Que andam acendendo velas nos becos
Que estão falando alto pelos botecos
E gritam nos mercados que com certeza
Está na natureza
Será, que será?
O que não certeza nem nunca terá
O que não tem conserto nem nunca terá
O que não tem tamanho…

O que será, que será?
Que vive nas idéias desses amantes
Que cantam os poetas mais delirantes
Que juram os profetas embriagados
Que está na romaria dos mutilados
Que está na fantasia dos infelizes
Que está no dia a dia das meretrizes
No plano dos bandidos dos desvalidos
Em todos os sentidos…

Será, que será?
O que não tem decência nem nunca terá
O que não tem censura nem nunca terá
O que não faz sentido…

O que será, que será?
Que todos os avisos não vão evitar
Por que todos os risos vão desafiar
Por que todos os sinos irão repicar
Por que todos os hinos irão consagrar
E todos os meninos vão desembestar
E todos os destinos irão se encontrar
E mesmo o Padre Eterno que nunca foi lá
Olhando aquele inferno vai abençoar
O que não tem governo nem nunca terá
O que não tem vergonha nem nunca terá
O que não tem juízo…(2x)
Lá lá lá lá lá...

"A música “O Que Será” foi escrita em 1976, durante o período da ditadura militar brasileira para o filme “Dona Flor e Seus Dois Maridos”, de Bruno Barreto.
Na trilha do filme, a música ganhou um subtítulo (À flor da pele), e demonstra a visão da personagem do filme (Sônia Braga), ao tratar o amor na sua forma mais pura, e menos intencional.
Embalado pelo sucesso obtido pela gravação original, Chico compôs outra versão, utilizando outra letra, a qual gravou em dueto com Milton Nascimento no LP “Meus Caros Amigos” e batizou-a de “O Que Será (A flor da Terra)”. Até os dias de hoje esta versão possui divergências sobre o seu verdadeiro significado.
Pode-se achar que “O Que Será (A flor da Terra)” trata de sexo, algo sobre a natureza humana e o amor no seu estado mais carnal, do qual não há ser humano que consiga manter-se neutro ou indiferente.
Também se pode supor que a música fala de Deus, mas de modo até sarcástico e irônico, haja vista a condição notoriamente agnóstica de Chico.
E, por fim, pode-se atribuir à música uma crítica ao sistema vigente da época, mais propriamente à corrupção e degradação do sistema ditatorial, enaltecendo o desejo e o ímpeto do ser humano de poder expressar seus ideais livremente, da vontade de botar pra fora toda a sua indignação com tudo àquilo que não achar correto.
Como sabemos, no período em que “O Que Será” foi escrita, diversos compositores – inclusive o próprio Chico – sofreram nas mãos dos censores no afã de mostrarem suas obras. Na minha opinião “O Que Será”, possivelmente, é uma obra que trata da liberdade em seu estado pleno, quer seja na forma de agir, de se expressar ou até de pensar.
A música busca aquela vontade de quem está sob jugo de ter a sua voz ouvida, não cerceada. De ter o direito de “berrar” nos mercados, nas passeatas, nas alcovas, enfim, na natureza como um todo.
Possivelmente o título (O que será) também traz embutida uma pergunta (O que será?), que repetida à exaustão durante a música, sucinta nas pessoas exatamente a dúvida de seu real significado: que ela (a pergunta) foi introduzida de uma forma que passasse sua mensagem de maneira subliminar, e que, mesmo não tendo a “autorização” dos censores, ela ficaria, de alguma forma, incrustada no subconsciente das pessoas."
Grande Chico!
Comentário by Sérgio Soeiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário